Paralelismo entre eutanásia e aborto

Um sistema análogo teve lugar com as leis do aborto, que nasceram para solucionar – pelo menos, era esta uma das motivações dos pro-abortistas – casos penosos e extremos (perigo de morte da mãe, violação, etc.), e que depois se estenderam para justificar casos triviais (como “filho não desejado”, “não programado”, por razões psíquicas ou económicas).

De igual modo, não é arriscado prever a propaganda que se fará para conseguir uma aceitação gradual da eutanásia, apresentada como uma “conquista” do estilo de vida contemporâneo, com vista a suprimir as crianças deficientes que não podem apreciar a “qualidade de vida” e que supõem uma carga para a sociedade. O mesmo argumento poderá aplicar-se aos doentes incuráveis e aos velhos.

Na realidade, existe uma relação muito íntima entre a eutanásia e o aborto: os motivos que se apresentam para justificar o aborto e a eutanásia são essencialmente os mesmos. Se se permite a uma mãe eliminar o filho nas suas entranhas por razões psíquicas ou económicas, que razão de peso se poderá invocar para impedir que elimine o filho que nasceu deficiente?

Nos nossos dias, estão a colocar-se de novo os fundamentos de uma “cultura da morte”. Os historiadores do futuro ficarão certamente surpreendidos com o desprezo pela vida humana que se manifesta na nossa época. Combate-se contra a vida em todos os seus estádios: antes que surja, com a contracepção e a esterilização; no ventre materno, com o aborto; depois, com o suicídio e a eutanásia activa.

Este desprezo pela vida humana tem sido sustentado por personalidades políticas de primeiro plano, como Jacques Attali, conselheiro de François Mitterrand e autor das seguintes propostas:

“Penso que, na lógica do sistema industrial em que vivemos, a longevidade não deve ser uma meta. Quando o homem ultrapassa os 60-65 anos, vive para além da idade produtiva e custa demasiado à Sociedade…

“Pessoalmente e como socialista, considero um falso problema o alongamento da vida… A eutanásia será um dos instrumentos essenciais nas sociedades do futuro, seja qual for a ideologia a que pertençam. Dentro de uma lógica socialista, o problema põe-se assim: o socialismo é liberdade, e a liberdade fundamental é o suicídio; portanto, o direito ao suicídio, directo ou indirecto, é um valor absoluto neste tipo de sociedade. Penso, pois, que a eutanásia – como tipo de liberdade, ou por necessidade económica – será uma das regras da sociedade do futuro” (1).

Como aconteceu com o aborto, a eutanásia está a infiltrar-se na nossa Cultura. Muitos homens do nosso tempo não acreditam na vida e preocupam-se exclusivamente com o seu “nível de vida”. Daí, a rejeição da nova vida (menos crianças, ou até nenhuma criança) e a possibilidade de suprimir os doentes e os velhos, improdutivos e onerosos. Estes, serão em proporção cada vez mais numerosos, dado o baixo índice de natalidade; e, quando o aumento das classes passivas e a diminuição da população trabalhadora fizer com que o peso social dos anciãos cresça progressivamente, não haverá então uma razão mais para justificar a eutanásia?

(1) ATTALI, J., Le médecin en accusation, artigo publicado em “L’avenir de la vie” (Seghers, Paris, 1981) págs. 273-275.

Fernando Monge, Eutanásia, Edições Prumo, 1991